Informação sobre a CDB?

A molécula de canabidiol foi identificada e isolada no início da década de 1960. Numerosos estudos científicos têm desde então trazido à luz algumas das peculiaridades desta molécula de cannabis.

Foram realizados estudos sobre a CDB, estes são apenas estudos estatísticos e não têm o valor de estudos clínicos realizados em doentes. Os benefícios atribuídos à CDB resultam destas observações estatísticas. Os benefícios da CDB são reconhecidos de várias maneiras.

Ausência de efeito psicótico
Em primeiro lugar, a sua ausência de psicoactividade permite a sua utilização num paciente sem risco de prejudicar a sua função. Deve-se lembrar que a OMS – o organismo da ONU que faz recomendações em matéria de saúde – não classifica a CDB como droga narcótica.

Acções fisiológicas
A CDB tem propriedades analgésicas: o canabidiol reduz a transmissão da dor ao cérebro. Tomar a CDB reduziria a actividade inflamatória devido à dor crónica.

Estudos têm demonstrado os efeitos positivos da CDB sobre a ansiedade. Se for capaz de reduzir o stress e a ansiedade, a CDB seria um poderoso aliado no tratamento de uma vasta gama de doenças mentais. Ou simplesmente uma forma de melhorar o próprio bem-estar pessoal.

Estão actualmente a ser realizados estudos para validar a acção da CDB como agente neuroprotector. A CDB protegeria o cérebro e as células do sistema nervoso central de danos. Isto seria de particular interesse para o tratamento de doenças degenerativas, como a doença de Parkinson.

Inibição da proliferação de células cancerígenas
As análises científicas demonstraram que a CDB é capaz de produzir stress oxidativo que causa a morte de certos tipos de células cancerígenas. O stress oxidativo foi destacado como um possível factor no desenvolvimento de várias doenças progressivas, incluindo a doença de Alzheimer, a doença de Parkinson e o cancro.

Óleo DOLOCAN CBD

O que é a CDB?

O canabidiol, mais conhecido pelo seu nome abreviado CBD, é uma molécula extraída da cannabis. A planta de cânhamo contém dezenas de componentes do tipo canabinóide, os mais conhecidos dos quais são o CBD e o THC (tetrahidrocanabinol). A CBD é portanto um composto químico presente na cannabis, tal como o THC, mas em maiores quantidades do que este último.

Extraído de plantas de canábis, o canabidiol encontra-se numa forma oleosa, que é depois facilmente incorporado numa solução líquida. A CDB pode então ser consumida como um óleo essencial ou líquido vaporizador para cigarros electrónicos. Com a ajuda da moda, o nome CBD também pode ser encontrado na embalagem de muitos produtos, especialmente cosméticos. Esta utilização da terminologia de marketing da CDB indica apenas que uma certa quantidade de CDB, frequentemente pequena, está contida no produto acabado.

Ao contrário do THC, a CDB não tem qualquer efeito psicoactivo no corpo. Além disso, não causa nenhum vício. Por isso, não pode ser chamado de droga. É por estas razões que a sua utilização num quadro legal e sob certas condições é autorizada.

A democratização do seu uso na Europa beneficia de uma certa indefinição legal que a torna considerada como “cannabis legal”. Os seus benefícios terapêuticos têm sido estudados há várias décadas e reconhecidos em vários campos médicos, daí o apelido “cannabis terapêutica”.

A CDB é comercializada sob a forma de cristais, flores ou pólen na sua configuração mais natural. Sob a forma de um produto processado, encontraremos e-liquidos e óleos essenciais ou cápsulas sólidas. A indústria cosmética utilizará extractos de CDB, cuja quantidade e qualidade será difícil de controlar.

Molécula de CBD do tipo canabinoide
fonte Imagem: Molécula de CBD do tipo canabinoide

Quais são os efeitos secundários da CDB?

Ao contrário da outra molécula conhecida (THC) na cannabis, a CDB não tem efeito psicotrópico e não é viciante. Estes elementos foram atestados em 2017 pela OMS (Organização Mundial de Saúde), um organismo da ONU, que não classifica a CDB como uma substância narcótica. É por estas razões que é visto positivamente como uma possível parte de um processo terapêutico.

A CDB pode ter interacções medicamentosas com uma vasta gama de medicamentos, desde medicamentos anti-cancerígenos até Voltaren. Em particular, a CDB pode alterar a forma como o fígado quebra certos fármacos. Antes de tomar a CDB, é portanto prudente verificar com o seu médico sobre a compatibilidade da acção da CDB sobre estes tratamentos.

O uso concomitante da CDB com um regime terapêutico que inclui uma droga cujo efeito é alterado pelo fígado pode potencialmente aumentar os efeitos desta droga, bem como os seus efeitos secundários. A contra-medida habitual é baixar a dosagem do tratamento medicamentoso.

Além disso, a CDB tem alguns efeitos secundários próprios. Estes efeitos secundários foram notados em alguns casos, mas não são fatais. A CDB pode causar diarreia, perturbações do apetite, e sentimentos de cansaço e mesmo sonolência.

A CDB é legal em França?

Apelidada de “cannabis legal” em França, a CBD beneficia de um vazio legal na interpretação dos textos sobre o consumo de produtos de cannabis. A lei francesa e a lei europeia consideram como legal uma taxa de concentração de THC inferior a 0,2%, sem especificar se esta barreira se aplica à planta cultivada ou ao produto acabado.

Por seu lado, Mildeca (Missão Interministerial de Luta contra a Droga e a Toxicodependência), cujo parecer emitido em Julho de 2018 é apenas consultivo, especifica que os produtos não devem conter qualquer vestígio de THC. Quanto à ANSM (Agence Nationale de Sécurité du Médicament), não faz distinção entre as diferentes moléculas de cannabis e classifica-as todas na categoria de produtos narcóticos.



Na vertente da comercialização, a apresentação da CDB como produto terapêutico ou como remédio é proibida por lei em França. De facto, apenas médicos e farmacêuticos estão autorizados a prescrever e comercializar produtos terapêuticos.

No entanto, a democratização da CDB teve lugar na Europa, beneficiando desta imprecisão regulamentar. Esta imprecisão é também mantida por práticas que diferem de país para país, tornando difícil a rastreabilidade dos produtos acabados. O principal problema é representado pela taxa de THC, cujo limiar máximo autorizado é diferente a nível europeu: 0,2% em França e Alemanha, 0,6% em Itália, 1% na Suíça.

A CDB reduz a dor?

A dor crónica refere-se à dor intensa numa área específica do corpo. Pode ser forte ao ponto de constituir uma deficiência, limitando a mobilidade física da pessoa. Estudos estatísticos demonstraram que a utilização da CDB pode reduzir os sinais de dor em pessoas que anteriormente sofriam de dor crónica.

Como todos os mamíferos, o corpo humano tem um sistema endocannabinoide. Este sistema – chamemos-lhe SEC – é composto por receptores distribuídos por todo o corpo. A SEC é útil na regulação da resposta imunitária e da transmissão da dor. Sem conhecer as razões exactas, suspeita-se que a CDB actua sobre os receptores SEC para manipular o sinal utilizado pelo corpo humano para perceber a dor. Este paradoxo foi reflectido num relatório da Addiction Switzerland (uma fundação privada e independente), nestes termos “uma dúvida positiva sobre os efeitos analgésicos da CDB para reduzir a dor”.

Dor crónica
Estudos estatísticos sobre o assunto mostram que a utilização da CDB como tratamento para reduzir os efeitos da dor crónica produz resultados notáveis. O conjunto de provas sugere que a utilização da CDB pode reduzir a inflamação e a dor. Além disso, como não há dependência da CDB, não há necessidade de aumentar as doses ou de considerar a retirada.

Enxaqueca
“Um conjunto para curar a sua enxaqueca” Isto é mais ou menos o que uma equipa de investigadores italianos propôs no último congresso da Academia Europeia de Neurologia, em Junho de 2019. E a associação THC-CBD está a produzir resultados muito excitantes.

Dor causada por artrite
O estudo mais frequentemente citado sobre o assunto foi realizado em ratos artríticos em que se observou um alívio do inchaço e inflamação das articulações e uma redução na progressão da destruição das articulações.

No entanto, não há estudos de pacientes humanos sobre o assunto. No entanto, o feixe presuntivo é favorável.

De que forma pode o cbd ser consumido?

A CDB é uma molécula derivada da cannabis. Pode-se consumir quer o produto natural (flor, pólen, cristais) quer um produto industrializado resultante da extracção. A extracção de CDB da folha de cannabis produz um óleo que é depois incorporado num produto acabado comercializado como uma garrafa de óleo ou um e-liquido. Os cosméticos utilizam um óleo proveniente da prensagem a frio de sementes de cânhamo.
A partir destes produtos, existem diferentes formas de os consumir.

Comendo CDB
Seja na forma cozida (cristais, óleo, sementes) ou não cozida (comprimido, óleo), é possível consumir a CDB comendo-a. Para a forma cozinhada, é possível integrar óleo ou cristais de CDB em qualquer tipo de alimento. Mas também é possível comer sementes de cânhamo como parte de uma refeição, tal como qualquer outro tipo de semente que um vegetariano usaria. O mais hype é o chá na CBD, a ser tomado às 17 horas com um biscoito.

Cuidar da sua pele com CBD
A prensagem a frio de sementes de cânhamo produz um óleo contendo CBD que é utilizado na indústria cosmética. Para além das propriedades devidas às particularidades da semente de cânhamo (hidratação), a CDB traria uma vantagem à regeneração da pele, especialmente em casos de queimaduras.

Qual é o objectivo do sistema Endocannabinoid?

O sistema endo-canabinóide (EDC) é um sistema que foi descoberto inadvertidamente nos anos 80, quando os investigadores investigavam os efeitos nocivos da cannabis, numa tentativa de reduzir a credibilidade do seu uso. O SEC é um sistema que funciona com receptores (CB1 e CB2), dos quais os canabinóides são os mensageiros químicos. O sistema funciona normalmente com canabinóides endógenos.

No entanto, o estudo da cannabis que levou à descoberta da SEC, mostrou que era capaz de trabalhar com canabinóides exógenos (fito canabinóides, canabinóides de plantas), com uma resposta melhor e mais duradoura ao longo do tempo. Assim, enquanto os endocanabinóides são produzidos apenas a pedido e são destruídos imediatamente após a sua utilização, os canabinóides exógenos têm uma duração de vida muito mais longa.

Assim, o THC na cannabis liga-se e activa os receptores SEC CB1 como o faria um canabinóide endógeno. O efeito do THC vai assim além do simples efeito de “deslizamento” comummente considerado como puramente psicológico e actua na transmissão de uma certa quantidade de informação da SEC.

A CDB não se liga aos receptores mas bloqueia a ligação THC – CB1 para limitar a acção do THC sobre a SEC. A CDB tem pouca influência sobre o receptor CB2, mas é um factor importante para estimular a produção de endocanabinóides pelo organismo.
O SEC é um sistema que actua modulando-os em vários processos, incluindo o :

– ansiedade,
– a transmissão da dor,
– a resposta imunitária,
– metabolismo, etc.

Manter estes diferentes processos em equilíbrio chama-se homeostasia. A homeostasia é um estado de equilíbrio saudável de todos os processos de um corpo. E a SEC é por acaso o garante deste estado constante de bom estado de funcionamento.

Uma vez que o conhecimento do sistema endocannabinoide é relativamente recente, há muitos elementos ou efeitos que ainda são pouco ou nada conhecidos.


Quais são os benefícios do cânhamo?

Por ignorância, o cânhamo está muitas vezes associado apenas à cannabis na imaginação popular. O cânhamo, pelo menos as suas sementes e o óleo extraído do mesmo, são excelentes nutrientes. A substância psicotrópica da cannabis encontra-se principalmente nas folhas da planta. A semente de cânhamo está livre de substâncias psicoactivas.

Por outro lado, a semente de cânhamo é rica em ácidos gordos insaturados (30% dos quais são ómega 3 e ómega 6), ácidos gordos essenciais para o corpo. Esta contribuição é apreciada pela sua acção reguladora do colesterol e pela sua acção preventiva na luta contra as doenças cardiovasculares.

A semente de cânhamo é apreciada pelos vegetarianos porque é rica em proteínas (25%, logo atrás da soja). Além disso, tal como a quinoa, fornece os aminoácidos essenciais necessários na nossa dieta. As proteínas que fornece são também melhor digeridas do que as de outras fontes vegetais. Um suplemento alimentar a ser preferido pelos vegetarianos à procura de algo novo.

A semente de cânhamo é também rica em fibras solúveis e insolúveis. As fibras insolúveis são interessantes na regulação do trânsito intestinal. A fibra solúvel ajuda a gerir os níveis de glucose no sangue, tornando-a um bom preventivo para a diabetes tipo 2.

A sua riqueza nutricional levou a indústria alimentar a interessar-se por esta semente, tanto que hoje em dia vários produtos à base de sementes de cânhamo, tais como barras de cereais, substitutos de queijo, manteiga, chás de ervas ou café, estão comercialmente disponíveis.

O outro componente extraído do cânhamo é o óleo extraído da semente de cânhamo. Bastante conhecido pela sua utilização na indústria cosmética, o óleo de cânhamo é apreciado pelas suas propriedades hidratantes, nutritivas e regeneradoras. É um remédio perfeito para queimaduras de pele, quer seja para acalmar a queimadura da lâmina de barbear ou os efeitos de uma queimadura solar. Algumas unidades de oncologia utilizam-no para acalmar a pele sujeita aos efeitos da radioterapia.

Quais são as utilizações da CDB na cosmética?

Nos cosméticos, é utilizado óleo de sementes de cânhamo. Ao contrário do óleo de CDB, que é extraído de folhas de cânhamo, o óleo utilizado nos cosméticos é extraído por prensagem a frio de sementes de cânhamo. Os produtos de consumo derivados do óleo de cânhamo cobrem uma grande parte dos produtos de cuidado e de bem-estar. Estes variam desde hidratantes, óleos de massagem, fundações, esfoliantes e até pastas de dentes.

O óleo CDB utilizado nos cosméticos é apreciado pelas suas propriedades calmantes e pelo seu elevado teor de ómega 3 e ómega 6 (mais rico que o óleo de argão). Tal como a manteiga de carité, o óleo de CDB é rico em ácidos gordos essenciais, útil para uma boa hidratação da pele.
Mas são as características únicas da CDB que tornam os cosméticos à base de óleo de CDB diferentes dos outros. A derme faz parte do sistema endocannabinoide. Como tal, tem muitos receptores CB2 que podem ser activados pela CDB. A aplicação local de um cosmético baseado na CBD pode assim agir como um tratamento terapêutico, promovendo uma resposta local à inflamação da pele.

Estranhamente, a embalagem das gamas de cosméticos que utilizam óleo de sementes de cânhamo apresenta uma folha de cânhamo, embora não seja utilizada no seu fabrico. Na cosmética masculina, a ênfase na folha de canábis é ainda mais exagerada, surfando na onda do “mauzão”. Outra singularidade, enquanto a existência do sistema endocannabinoide só é conhecida desde os anos 90, a cadeia The Body Shop oferece uma gama de cosméticos de cânhamo desde 1992.

A CDB tem qualidades anti-inflamatórias?

A história diz-nos que as aplicações da cannabis para o controlo da dor eram conhecidas da medicina chinesa há vários milénios. Redescoberto nos anos 90 com a actualização do sistema endocanabinoide, as propriedades da CDB para agir contra a dor e iniciar uma resposta anti-inflamatória ainda estão a ser estudadas pelos cientistas.

No entanto, já se pode ver que a CDB é hoje uma resposta reconhecida no tratamento da dor e da inflamação. Por exemplo, a CBD foi retirada da lista de substâncias dopantes pela Agência Mundial Anti-doping, libertando o seu uso terapêutico para atletas de alto rendimento. Embora o uso repetido de anti-inflamatórios não esteróides possa causar efeitos secundários significativos (efeitos gastrointestinais como úlceras ou azia), a eficácia da CDB como anti-inflamatório é confirmada por estudos científicos e seguros.

A acção da CDB ao nível do sistema endocannabinoide para regular a percepção da dor demonstrou hoje tanto a sua eficácia como a sua inocuidade. Os processos são longos para analisar e dependem dos diferentes casos, mas o sentimento geral dos investigadores relativamente à utilização da CDB numa perspectiva anti-inflamatória é bastante optimista. Os estudos que relatam os melhores resultados no tratamento da dor têm sido observados em doentes com cancro ou artrite.

Hoje em dia existem muitos produtos baseados na CDB. A pessoa com dor crónica pode aliviá-la utilizando um ou mais destes produtos. Quer seja aplicada topicamente com um creme para um efeito rápido, ou em forma de cápsula para um efeito mais prolongado, a CDB será uma ajuda eficaz no tratamento da dor.